Retiro no Mosteiro Zen Budista- 1º dia (mamãe bem que me avisou)

sandálias mosteiro São 4h20 da manhã e ouço o barulho dos sinos. Alguém corre por todo o mosteiro pra acordar quem ainda dorme. Eu já levantei e, por incrível que pareça, muito bem disposta.  É o tempo de escovar os dentes, ir ao banheiro e me dirigir ao primeiro zazen do dia. Mas, peraí, sem comer nada antes? Gente, eu só comi uma tigela de sopa de lentilha ontem à noite… vou desmaiar, aposto!

Os sinos tocam anunciando o início da não-ação, lá estou eu, novamente, virada para a parede por…40 minutos! A sequência de pensamentos é mais ou menos a seguinte: “aposto que todo mundo vai dormir”,  “acho que encontrei uma boa posição pra perna hoje, vou conseguir”, “essa manchinha marrom na parede estava aí ontem?”, ” legal ouvir apenas o barulhinho do grilo lá fora”,“ai meu Deus, vou conseguir porquêra nenhuma, a perna já está ficando dormente”…aí, de repente, tudo perde a importância e eu não consigo pensar em coisa alguma.

 

mosteiro zen meditação

Atingi o propósito? Que nada! Não consigo simplesmente porque a minha barriga começa a roncar! O barulho é tão alto e tão constrangedor! E é então que o impensável acontece: outras barrigas começam a responder ao chamado. E cada ronco consegue ser diferente do outro, mas tão alto quanto. O constrangimento dá lugar ao alívio e a vontade de sorrir.  Ô gente, eu sei que parece que estou fazendo piada, mas o respeito que tenho pelo budismo não deixaria. É assim mesmo que acontece: uma sinfonia de barrigas vazias.

 jardim zen mosteiro

mosteiro da vargem

Depois desse primeiro zazen, sigo para o choka- a cerimônia matinal. Depois, mais um zazen!! Posso chorar agora? Juro que o olho enche de lágrima. Bem que a minha mãe avisou que essa história de retiro não combinava comigo. Eu não quero sentar virada para a parede, quero tomar café! Quero ver o sol nascer.  Mais meia hora.

templo cozinha mosteiro

 

lagarto ponte mosteiro

No budismo , a cozinha também é um templo (assim como o banheiro). Tudo é feito com muito respeito, equilíbrio e disciplina. O lugar de cada um é determinado já no primeiro dia e é  assim que seguiremos até o final do retiro.  Na minha frente está uma alemã que já participou de retiros em todo o mundo, de um lado uma advogada capixaba que também já fez alguns. Do outro lado, um monge. Assimilo mais um ensinamento: observar para aprender. O primeiro alimento do dia é sempre o Okayo,  feito com milho e arroz  integral. O paladar não me agrada muito, mas estou faminta e lembro que terei que limpar a tigela, com nabo e chá, e depois beber – quanto menos sobrar, melhor. Reverências e pequenas orações são feitas antes e depois.  Quem quer,  pode repetir a porção, ou comer pão integral, geleia, queijo, iogurte. Tudo delicioso! Ah, e cada um lava o que usou. A cozinha fica praticamente limpa quando todos saem.

 templo banheiro mosteiro

 

É hora do trabalho- parte fundamental da filosofia zen budista. Os participantes do retiro são divididos em grupos, e fico na equipe da cozinha. Descasco maçãs, corto cebolas, cebolinhas, corto o dedo! Mas uma lição aprendida: a atenção total.

cozinha trabalho mosteiro

Se eu estivesse totalmente focada no que faço, não teria me cortado. Percebo que será assim: conceitos assimilados no dia-a-dia, através do exemplo, da observação e da prática. O meu respeito aumenta ainda mais.

trilha mosteiro artista

isolamento mosteiro

Faço uma trilha depois do trabalho, até a casa do artista (estou na dúvida se o nome oficial é mesmo este), um espaço que é cedido às pessoas que precisam de isolamento para criar (escritores, dançarinos, mestrandos). Há uma equipe de filmagem do Rio de Janeiro produzindo um documentário sobre o mosteiro. O lugar é lindíssimo! Com uma piscina sobre a rocha e água natural.piscina natural

Decido voltar amanhã para tomar banho e sou orientada: “melhor colocar as pernas na água para relaxar.  O próximo zazen é o mais demorado!”.  Posso me esconder na mata e só aparecer à noite?flor rosa roxa

 

Penso no quanto o tempo é relativo: Antes das onze e meia da manhã e eu já fiz quatro zazen, trabalhei, tomei café, caminhei na trilha, conversei, almocei…  Se estivesse em casa, de férias, provavelmente estaria acordando.  Ao todo, são sete zazen (não –ação)  durante o dia, um choka (cerimônia) e um Kin Hin, uma espécie de meditação andando. Cada meio passo corresponde a uma respiração inteira. Respiro profundamente, levo um pé à frente, respiro de novo, levo o outro pé. Gosto mais dessa.

À tarde fazemos um exercício de relaxamento muito bom. Sinto o braço pesar, o braço esquentar, a testa refrescar e o corpo como um rio. Esqueço as dores pelo corpo.

Quatro da tarde, é hora do banho! Sim, apenas um banho por dia, em horário determinado.  Há chuveiros, quentes e frios, e um ofurô.  Como é preciso dividir a banheira com outras mulheres- sem roupas,  não me senti a vontade. Quem foi, adorou a experiência.

celular mosteiro zen ibiraçu

O lugar onde há sinal de celular. Matando saudade dos meus meninos.

À noite, expectativa: o último zazen vai ser ao ar livre! Caminhamos pela trilha, apenas a luz das lanternas, até a casa do artista. Escuridão total, todos sentados no deck, e o lugar cheio de vagalumes (fazia tanto tempo que não via um deles, que nem lembrava mais que eles existiam). Pode ficar melhor? Pode!  Deitamos no chão, olhando para o céu e… estrela cadente!!  Estou num mosteiro zen budista, na escuridão total, observando estrelas cadentes com pessoas de todo o mundo. Coisas que só acontecem quando a gente se permite vivenciar o desconhecido. Me sinto profundamente feliz!

Mas amanhã é preciso acordar de madrugada. O dia vai ser cheio de surpresas!

Obrigada por me acompanharem no retiro. E até a próxima! (nos encontramos no zazen das quatro e meia, combinado? )

——————————–

Olha meu chinelinho do mapa mundi ali...

Olha meu chinelinho do mapa mundi ali…

Curiosidade: Cardápio do dia

Almoço – arroz com brotos, strogonoff de couve-flor e palmito, batata, salada de repolho.     Lanche da tarde- Esfirra de palmito e limonada                             Jantar- Sopa de inhame.

Sobremesas: doce de jaca, caqui geladinho, mariola.

38 comentários sobre “Retiro no Mosteiro Zen Budista- 1º dia (mamãe bem que me avisou)

    • Oi Isabel. As acomodações no mosteiro são simples. Um colchão no chão, apenas. Mas o colchão é bem confortável e acredito que vá ficar bem com seu bebê (ele pode ficar lá?) . A cidade mais próxima é Ibiraçu. É pequena, acredito que existam apenas pensões. Mesmo assim vai precisar de carro ou taxi para chegar ao mosteiro que fica no alto. A casa do artista é linda, mas também só tem o básico. Há fotos dela e dos quartos em outro post sobre o mosteiro aqui no blog. Posso ajudar em algo mais?

      Curtir

  1. Pingback: Retiro no Mosteiro Zen Budista- Como chegar, quanto custa e o que eu aprendi. | VIAGEM MASSA

  2. Pingback: Retiro no Mosteiro Zen Budista – 2º dia (ou: O dia em que cantei Faroeste Caboclo nove vezes). | VIAGEM MASSA

  3. Pingback: Retiro no Mosteiro Zen Budista- A chegada | VIAGEM MASSA

Oba! Comentários são uma alegria!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s