Sabores do Maranhão (ou) Você já viu como é o açaí de verdade?

Se tem uma coisa que a gente gosta é de viajar também através dos sabores. É Comida típica? Então manda ver!  Viajamos dispostos a experimentar de tudo. É claro que nem sempre dá pra achar gostoso, mas considero a experiência muito válida mesmo quando a boca aperta e o estômago embrulha.farinha cuxá

O prato típico do Maranhão é o cuxá.  A consistência é um pouco mais rala que a de um purê e todo mundo come misturado ao arroz (Na foto acima é essa porção verdinha).

De que é feito o cuxá? Perguntamos em alguns lugares. E a resposta foi sempre a mesma: da vinagreira.  Ô meu Deus! E o que é a vinagreira???

vinagreira

Num restaurante, no centro Histórico de São Luis, a ajudante tentou explicar, desenhando: “É uma plantinha verde, parecida com a folha de maconha, sabe?” Sei não.

A vinagreira é uma erva azeda que existe em abundância no Maranhão, mas não é tão comum nas outras regiões.  Depois encontrei no mercado e aproveitei pra tirar a foto.

Vinagreira

E foi no mercado também que comemos o açaí maranhense (fiz uma careta agora, lembrando do gosto).  O povo do Maranhão adora açaí, mas é muito diferente do que estamos acostumados aqui no Espírito Santo (gelado como um sorvete, doce, misturado com leite em pó, guaraná, frutas…).  Eles comem açaí natural, misturado com farofa, camarão, peixe…é “comida de sal” por lá.  Ah… e o nome é diferente: Jussara. açaí salgado

Antes de servir a moça bem avisou: “Vocês são do sudeste? Acho que vocês não vão gostar muito não.”  Acho que a maioria dos turistas não gosta mesmo porque todo mundo parou pra ver a nossa reação, como se já fosse típico dali tirar onda com turista que não come açaí salgado.açaí com camarão

Ah.. eu também nunca tinha visto como é o açaí de verdade, não industrializado. O fruto é quase só semente. A única parte aproveitável é a casquinha escura.

acaí

Imagine quantos são necessários para fazer uma tigela! Esses na caixa abaixo estão descascados, prontos para o lixo.

Mas vamos voltar para o mercado que eu ainda quero mostrar algumas coisas de lá pra vocês.  Por todo lado há camarões secos, é só ignorar as orientações de qualquer vigilância sanitária e se esbaldar. Uma delícia!camarão seco

Tem  farinhas,  tapioca, doces, cachaça…

farinha

mercado

E as garrafadas, pra curar de reumatismo a mal olhado (essas eu não tenho coragem de encarar não).garrafada

Pra beber, prefiro os sucos de frutas maravilhosos. O de Bacuri foi o meu preferido, achei que o sabor fica entre o cacau e a graviola, sempre bem gelado e muito consistente. Só pra lembrar, bacuri aqui na minha terra quer dizer menino.

bacuri

Claro que não dá pra falar de bebida no Maranhão sem mencionar o guaraná Jesus. Eu já comentei um pouco sobre ele aqui… muito doce e cor de rosa por meu gosto, mas um sucesso! (tanto que  a Coca-Cola comprou)

Também não quero deixar de falar da tapioca, que eu adoro! No Maranhão ela está sempre presente no café, no lanche da tarde, nas ruas… ô coisa boa!Tapioca

Puxa, e não é que eu ia me esquecendo do buriti? Posso não. Ele é tão importante que é chamado de a árvore da vida. O óleo é usado no preparo de produtos de beleza e como medicamento natural. As folhas são usadas no artesanato, para cobrir as casas e até na fabricação de móveis .  E o fruto vira doce, suco, licor… Uma curiosidade é que existe a árvore macho e a árvore fêmea, mais vistosa.

buriti árvore

Pra encerrar esse passeio gastronômico,  o doce de espécie, que é típico de Alcântara mas pode ser encontrado em todo o Maranhão. É feito de coco, mas é mais sequinho e menos doce que uma cocada tradicional. Gostoso, viu?

espécie

Ficou com água na boca? Conta pra mim o que você já experimentou dessas delícias (ou nem tanto) e o que gostaria de provar.

doce buriti

Doces de buriti e de caju-ameixa

Estou devendo o post sobre São Luis e Alcântara, não esqueci.  Loguinho, tá? Prometo. Por enquanto, tem mais sobre o Maranhão aqui, aqui, e aqui também.

Obrigada por passearem comigo. E até a próxima!

Bom demais é fruta fresquinha pra amenizar o calor

31 comentários sobre “Sabores do Maranhão (ou) Você já viu como é o açaí de verdade?

  1. oi minha linda,sou maranhense e conheco 95 cidades do maranhao,e afirmo pra vc no litoral a maioria das pessoas come ou bebe jucara sem acucar com camarao ou peixe seco. Ja no interior a maioria toma jucara com acucar e farinha. Usamos a jucara como merenda das 2hs pois ela e mais dificil no interior portanto mais cara.ja no litoral tem em ambundancia principalmente no litoral oeste ai ja sabe as pessoas se esbaldam enche a barriga mesmo nao so merendam mas jantam de verdade a jucara(ACAI para os paraenses. Sou de buriticupu,ma. Abracos e volte sempre.

    Curtir

  2. Olá, adorei o teu blog, sou maranhense, vivo em São Luís e esse lance do cuxá só se encontra em restaurantes de comida típica maranhense, mas acho muito difícil ir a mesa do maranhense, agora o camarão por aqui existe uma grande variedade, pessoalmente não sou fã de camarão seco, só gosto do camarão fresco porque adoro cozinhar e fazer cremes, tortas e até pizza de camarão fresco com catupiry. Aqui também tem uma fruta maravilhosa que é o cupuaçu, muito boa para fazer sucos, doces, sorvetes, musses e o açaí é mesmo conhecido como Juçara mas não existe só o líquido ao natural como acompanhamento de comidas salgadas, existe ele doce e salgado e hoje por aqui tá uma febre as franquias que vendem açaí em todas as formas até mesmo como sorvete. Beijos e volte sempre.

    Curtir

  3. Parabéns pelo post, vou lendo e imaginando cada sabor, aroma e imagens, gosto muito de viajar, mas conheço ainda somente as cidades próximas da minha, já viajei para o Parana (Maringá e Sarandi) e Minas Gerais (São Thomé das Letras), graças a Deus esse nosso pais é gigante pela própria natureza, és belo e onde você possa ir vai conhecer novos sabores e imagens, vou caminhando de cidade em cidade, conhecendo lugares até então desconhecidos, e como é curioso, sempre existe uma comida tipica diferente, abraço sou de Sorocaba-SP

    Curtir

  4. Pingback: Maranhão – Dia 2. Passeio de barco para Caburé. | VIAGEM MASSA

  5. Pingback: O texto que eu não consegui escrever – São Luis do Maranhão | VIAGEM MASSA

  6. Cara amiga capixaba,
    sou maranhense, nascido em São Luís, e já viajei uma boa parte do meu estado natal. Gostaria de conhecer melhor o sul da região, menos publicitada, acessível e conhecida que o litoral, mas como não estou a viver no Brasil pelo momento vai ter de ficar nos meus planos futuros. Fico feliz que estejas tendo uma experiência boa. De fato, para o indivíduo “sem frescura”, isto é, a pessoa aberta, relax e despachada, acho que o estado é um destino muito interessante. Não sei se ainda se encontra por lá ou se já voltou para o ES, mas aqui vai: meu maior conselho é ver as manifestações populares. Informe-me para ver uma apresentação de tambor-de-crioula, se possível veja um treino ou as instalações da festa do Boi (talvez encontre uma associação no bairro da Madre Deus, muito tradicional), até assistir um culto de macumba vale a pena! Sem preconceitos. Se puder ver alguma festividade religiosa (como o Divino de Alcântara, por exemplo), não perca. Alcântara, aliás, é uma visita boa. Uma festa de reggae é recomendável se gosta de dançar ou gosta da música.
    Em relação à comida, sou suspeito. Sou absolutamente apaixonado pela culinária maranhense. Ainda estou para conhecer melhor variedade de farofa (ingerida em doses cavalares pelas crianças da terra). Nem vou falar de peixes, camarões, frutos do mar. Dou duas dicas neste sentido: uma, mais famosa, é uma boa dose de caranguejo. Há dois tipos principais, o toc-toc e o temperado no leite de côco. Ambos deliciosos. Qualquer bar na avenida Litorânea prepara uns deliciosos, mas posso recomendar alguns estabelecimentos: “Alô Alô Marciano”, “Pelicano”, “Base da Lenoca”. Minha segunda recomendação é menos famosa mas vale igualmente o esforço (há mesmo maranhenses que não conhecem, mas os que conhecem guardam o segredo…): vá até o município da Raposa (dentro da ilha de São Luís) e peça uma dose de tarioba! É um molusco parecido com ameijoa e deliciosamente temperado. Uma farofa de camarão para acompanhar e é mortal. Em seguida pode fazer a digestão nas redes dos restaurantes, se quiser. Um estabelecimento possível: Xico-Noca. De volta à capital, não vai se arrepender se comer a carne de sol, a macaxeira frita e o purê de mandioca da Cabana de Sol. Os preços dos restaurantes têm ficado caro no Maranhão, penso, mas a gastronomia é de alta qualidade. Não deixe de provar todas as frutas que puder. Uma dica: procure a sorveteria do Elefantinho em São Luís, e prove todos os sorvetes que você nunca imaginou. Você n-ã-o vai se arrepender. Quer uma vista legal? Vá ao bairro da Ponta d’Areia e veja o pôr do sol no espigão. Golfinhos passam por lá com frequência e é um lugar muito tranquilo (apenas atente-se ao que você já reparou: a falta de segurança das estruturas turísticas).
    Pronto, aí estão algumas dicas.
    Uma ótima viagem para vocês, e até a próxima!

    Abraços,

    Lucas

    Curtir

Oba! Comentários são uma alegria!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s